Páginas

sábado, 12 de setembro de 2009

A ESPERANÇA NOSSA DE CADA DIA





Gosto de andar por ai olhando coisas que talvez para outros não chame atenção. Por exemplo, sempre me atraiu as plantinhas que lutam por existir entre as fendas dos muros...você já reparou nelas? São plantinhas inexpressivas, não dão flores, não dão sombra, apenas querem viver...

E os muros...são muros antigos, onde o tempo fez seu trabalho, criando fendas, brechas para que outras pequenas criaturas pudessem habitar.

Então, eis que a vida faz seu laborioso trabalho de criação, e uma semente cai por descuido na fenda do velho muro, e surge um pretexto para a vida, algo que aparentemente não tem muito valor, mas anseia por existir, e isso me faz pensar em esperança...

Neste mundo, há lugar para toda obra da criação, e a esperança, deveria habitar no coração de todo mundo, mas nem sempre é assim.

Alguns podem florescer suas vidas em belos jardins, outros lutarão buscando a luz entre as fendas de velhos muros, num esforço contínuo pela sobrevivência de suas vidas e de seus sonhos...e isso pode ser tão difícil e cansativo!
Para muitos, a luta pela vida se dá de forma dolorida, atravessando barreiras materiais, emocionais e afetivas.
São vidas anônimas, para cumprir um destino incerto de glórias e elogios. Karmas esculpidos na poeira de um tempo, onde o espírito clamou por provas difíceis de levar adiante, e hoje tombados pelo peso da dor, e pelo cansaço do esforço, alguma singelas almas refletem seus sentimentos entre os espectros das dores emocionais intensas, com seus pálidos coloridos de depressão e medo.
Como dizer à essa pessoas que tudo passa? Que tudo se dilui na estrada da vida, se de fato sabemos que a dor, para quem a sente, é questão de urgência, de vida ou morte?
Por isso me encantam as plantinhas que nascem nas brechas dos muros...são cheias de simplicidade, vivem em meio as adversidades da vida.
Aparentemente sem importância alguma no cenário da estética existencial, elas cumprem seu papel na aparente desimportância de seu ser, simplesmente fazem o laborioso trabalho de sobreviver, lutando contra os obstáculos, exatamente como nós mesmos fazemos em nossos minúsculos mundos.
Quando vejo uma cena como essa da foto, algo de esperança acontece em mim...elas conseguem, nós também conseguiremos...talvez, elas apenas desejem nos dizer isso!










2 comentários:

  1. Ana Maria Carneiro4 de dezembro de 2011 13:07

    Com muita delicadeza, vc traduziu meus pensamentos sobre o momento em que vejo uma plantinha sobrevivendo alegremente entre as frestas das muralhas! É a Natureza demonstrando Coragem e Perseverança!
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Obrigada querida!
    Faz tempo que não escrevo aqui, acho que estou devendo uma palavras aqui no Blog!
    Bjus e paz!

    ResponderExcluir